• Araraquara.com - O maior e melhor portal de informações e serviços da cidade e região

Comentário(s) - 0

Sobra pílula do dia seguinte na rede pública de saúde

Apesar da facilidade de acesso, procura pelo contraceptivo de emergência é baixa

20/04/2013 - 07:18

Mariana Bruno

Alterar o tamanho da letra A+A-

A distribuição de cerca de 175 mil cartilhas na rede pública de saúde de todo o País, recentemente, tornou menos burocrático e mais ágil o acesso das mulheres à pílula do dia seguinte nas unidades de saúde, sem a necessidade de receita médica. Porém, seu uso continua sendo indicado apenas em casos de emergência, e não como anticoncepcional de uso diário.

Mesmo com a maior facilidade, na rede pública de saúde de Araraquara a procura pelo contraceptivo de emergência é baixa. Durante o ano passado, foram distribuídas para as unidades de saúde 42 cartelas com um total de 84 comprimidos.

O número dá uma média de 3 cartelas/mês, com 6 comprimidos entregues. “Em muitos casos, a pílula do dia seguinte chega a vencer e precisamos descartá-las”, afirma a enfermeira Isabela Virgínia Borges de Oliveira, da equipe de Saúde da Família do Parque São Paulo.

No entanto, a prescrição continua sendo obrigatória para a venda nas farmácias, ainda que, na prática, não seja exigida.

Apesar da maior agilidade na entrega do método contraceptivo, o procedimento só ocorre após conversa de um profissional de saúde com a mulher. “Acredito que a procura seja baixa pela falta de conhecimento de que no posto, além da orientação, é possível retirar a pílula”, completa a enfermeira.

 Arte/Gustavo Cerni
Arte/Gustavo Cerni

Jovens ignoram orientação

Segundo a gerente do Programa DST/AIDS de Araraquara, Iramildes Souza Silva, entre os adolescentes o uso indiscriminado da pílula é muito frequente. “O uso costuma ser banalizado por eles. É preciso conscientização de que a pílula do dia seguinte não é como um planejamento familiar, ou seja, como método regular de anticoncepcional”, explica.  

Uso indiscriminado causa problemas

De acordo com o ginecologista Wellington Lombardi, a alteração no ciclo menstrual é um dos maiores problemas do uso regular e indiscriminado da pílula do dia seguinte.
A pílula não é considerada método abortivo pelos especialistas. Estudos mostram que caso o embrião já esteja implantado no útero, porque a mulher já está grávida, a pílula não surtirá efeito algum.

Uso da pílula divide opiniões

"Não vejo problema se a mulher usar a pílula do dia seguinte em uma situação de emergência. Não a considero abortiva, mas também acho que o uso dela não deve ser feito em qualquer situação, indiscriminadamente, mas sim em alguns casos específicos." - Angélica Guelere, manicure

"Sou contra o uso da pílula do dia seguinte em qualquer circunstância. Pra mim, é como se fosse um aborto legalizado, não é natural. Acredito que a mulher deveria pensar, antes, nos riscos de uma gravidez, caso não seja o que ela quer." - Vanderlei de Castro, controlador de acesso
 

  • Compartilhar:
  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • Google
  • Yahoo
  • Windows
  • Digg
Participe
Participe AraraquaraCurta nossa Fan PageSiga nosso Twitter

Edição Digital

Edição Online